Polícia prende detentos em saída temporária e impede assaltos na Região Serrana

Mesmo condenado a 28 anos de prisão e tendo cumprido apenas sete anos, um detento que estava em um presídio capixaba recebeu o benefício da saída temporária do Dia das Crianças, concedido a mais de mil presos do Espírito Santo nesta semana. E, mal saiu da cadeia, ele foi preso acusado de ter cometido roubos na Grande Vitória.

Polícia prende detentos em saída temporária e impede assaltos na Região SerranaMas, a prisão dele e de outro comparsa foi possível após uma investigação de três dias, comandada pelo delegado Geraldo Peçanha, da Polícia Civil de Domingos Martins, que recebeu a informação de que uma quadrilha planejava praticar roubos da Região Serrana. Cerca de 50 policiais participaram da operação.

“Ficamos três dias inteiros acompanhando essa quadrilha. Fizemos uma operação em conjunto e bem sucedida para prender esses bandidos”, destacou o delegado. Além de policiais civis, a ação contou com o apoio da Polícia Militar, da Polícia Rodoviária Federal (PRF), da Secretaria Estadual de Justiça (Sejus) e da Diretoria de Inteligência da Polícia Militar (Dint).

Um dos detidos, de 37 anos, cumpria pena de 28 anos de prisão por roubo. Outro preso, de 28, também foi beneficiado pela saída temporária. A prisão ocorreu em Marechal Floriano, e com a dupla foi apreendida uma arma calibre 38 e cinco munições, além de objetos de roubos praticados por eles durante o dia de ontem (10) na Grande Vitória.

O motorista do veículo de aplicativo em que a dupla estava também foi detido por posse de maconha. Entretanto, o delegado afirmou que ele não tinha passagem pela polícia e foi liberado, já que não foi comprovada a ligação dele com os bandidos.

De acordo com a polícia, as investigações apontaram que a dupla integra uma quadrilha de criminosos especializados na prática de roubo de veículos e de residências, agindo tanto na Grande Vitória quanto na Região Serrana, onde alguns deles residem. A maior parte dessa quadrilha é composta por egressos do sistema prisional, onde cumprem ou cumpriram pena pela prática de roubo à mão armada.

Além do envolvimento em outros crimes praticados no decorrer deste ano na Região Serrana e em outros municípios do Estado, a polícia acredita que o grupo tenha praticado vários outros crimes apenas nesses dois dias que estão fora do presídio. No entanto, o planejamento deles para o cometimento de crimes em Domingos Martins e em Marechal Floriano foi frustrado pela intervenção das forças policiais, que agiram realizando as prisões.

Após três dias ininterruptos de investigação, coordenada pela Delegacia de Polícia Civil de Domingos Martins, com o apoio das Delegacias de Polícia de Marechal Floriano, de Venda Nova do Imigrante, de Guarapari, da Delegacia Antissequestro, do Núcleo de Repressão às Organizações Criminosas e à Corrupção (Nuroc), de equipes da 6ª Companhia Independente da Polícia Militar, da PRF, e da Sejus, foi possível a abordagem e a prisão dos dois criminosos. A ação envolveu 10 viaturas e cerca de 50 policiais.

Além de dupla presa, a Polícia Civil acredita que o grupo seja bem maior, e por isso trabalha no sentido de identificar os demais integrantes da quadrilha e realizar as suas prisões, bem como identificar pessoas que porventura tenham sido vítimas da ação do grupo. Outras ações como estas serão desenvolvidas no sentido de coibir a prática de crimes contra o patrimônio na região.

A dupla foi autuada em flagrante pela equipe da Delegacia de Polícia Civil de Domingos Martins, e encaminhada ao Centro de Triagem de Viana. Eles passarão pela audiência de custódia ainda durante o dia de hoje.

O Delegado Geraldo Peçanha lamentou a legislação brasileira, que permite a sápida de condenados. “A meu ver, a legislação brasileira deveria ser revista, pois ao permitir a saída de um preso condenado a 28 anos de prisão por crimes de roubo, após cumprir apenas sete anos da pena, a legislação acaba servindo como salvo-conduto para a prática de crimes, como esses praticados por esses detidos”, destacou.