A sociedade rural pomerana

Folha Pomerana Express , 17 Junho 2019

A sociedade rural pomerana

Dos imigrantes pomeranos que chegaram ao Brasil, na medida do possível foram se fixando nos seus prazos, como eram chamadas as suas propriedades. Portanto, tanto na Europa como aqui, sempre foram agricultores. Mas, ao lado da sua atividade agrícola, que, aos poucos, estava se consolidando, outras atividades profissionais também foram se tornando necessárias.

sociedade1

Assim, por exemplo, trabalhos não vinculados diretamente às lidas do campo, porém indispensáveis à economia da colônia, como o abate de animais, o preparo do pão ou mesmo a confecção de roupas, foram sendo incorporados ao dia a dia das próprias famílias dos agricultores.

sociedade2Com o passar dos anos, cada vez mais, esses trabalhadores do campo também passaram a depender de um meio de transporte, seja para a comercialização da sua produção, seja também para a sua própria locomoção. Dessa forma, passados os primeiros cinquenta anos da chegada dos imigrantes, praticamente todas as famílias já tinham o seu cavalo, a sua vaca de leite e a sua criação de aves domésticas. Ao mesmo tempo, a selaria se tornou essencial para o fornecimento de acessórios para a montaria. Foi necessário que ferreiros preparassem ferros para os animais de montaria. Na prática, cada localidade precisava de profissionais com essas habilidades.

sociedade3

A comercialização de calçados, durante os primeiros cinquenta anos, foi muito pequena, pois a grande maioria dos colonos continuava trabalhando descalço, apesar de utilizarem algum tipo de calçado nos seus encontros domingueiro. Os produtos importados tinham preços proibitivos e isso fez com que botinas, chinelos ou mesmo tamancos fossem confeccionados pelos sapateiros das próprias comunidades.

Até mesmo os móveis encontrados nas casas dos colonos costumavam ser “fabricados” em casa por algum marceneiro da região, até porque toda a mobília mais sofisticada precisava ser importada, o que tornava sua aquisição proibitiva. Os marceneiros improvisados, que tinham o dom de trabalhar com madeiras, deslocavam-se para as casas dos “clientes” onde confeccionavam móveis ou esquadrias. Da mesma forma, uma ou outra pequena destilaria de aguardente ou cervejaria doméstica podia ser encontrada. Essa situação, na maioria das regiões, pouco mudou até a metade do século XX.

A consolidação desse um padrão da vida dos imigrantes pomeranos frente às novas exigências, também decorrentes da sua alta prolificidade, fez com que os integrantes das famílias passassem por um importante processo de ajuste. Assim, começando com as crianças, estas, quando não estudavam, já aos oito ou nove anos de idade, tinham suas incumbências dentro da economia familiar. A sua participação no trabalho na lavoura, com suas pequenas ferramentas, preparava-os para uma futura vida profissional de adulto, ao mesmo tempo em que essa sua participação representava um adicional na força de trabalho do grupo familiar. Em outras situações, não poucas vezes, crianças de nove ou dez anos permaneciam em casas de parentes ou conhecidos para auxiliarem no cuidado de outras crianças menores. Ninguém sequer pensava que isso pudesse representar algum tipo de exploração de menores. Entretanto, havia bocas por serem alimentadas e era preciso subsistir. A remuneração em geral costumava ser feita por meio do fornecimento da alimentação e de eventuais presentes na forma de “cortes” de tecidos para confecção de peças de roupa.

Não raras vezes, adolescentes, sem possibilidade de frequentarem escolas, passavam o dia ao lado dos pais, capinando o cafezal e, ao entardecer, quando possível aprendiam, com os próprios pais, alguns rudimentos de escrita ou de matemática. Sempre havia um ou outro pai, visualizando um futuro melhor para o seu filho, que conseguia enviar alguns dos seus muitos filhos para um trabalho na casa de um comerciante ou até para a casa do pastor da comunidade. Essa nova experiência lhes permitiu visualizar novos horizontes e novas oportunidades de trabalho ou de estudos.

E foi dessa forma que, aos poucos, um ou outro filho de agricultor pomerano conseguiu “fugir” do trabalho árduo no campo para encontrar um novo caminho nas cidades mais próximas. Teve início aqui uma nova fase na vida da população rural pomerana que, mais tarde, ficou conhecida como êxodo rural da população pomerana.

confira botao coluna 2

 

Histórico