GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
ESCOLHA SUA CIDADE 22 DE JANEIRO DE 2017

 

Gastronomia

Histórico

 

 

13/04/2010

Uma gastronomia portuguesa, com certeza...

 

 

 

 

No mês de setembro de 2009, eu e minha esposa tivemos a oportunidade de passear, durante 15 dias, pelo interior da região norte e nordeste de Portugal. Foi uma viagem inesquecível e que recomendamos a todos aqueles que gostam de viajar, de conhecer lugares lindos, de viver uma cultura diferente. E, melhor do quer isto tudo, lá falam a nossa língua!

 

Neste artigo, gostaria de compartilhar com vocês algumas experiências que tivemos por lá e, como não poderia deixar de ser, principalmente as gastronômicas.

 

Aterrissamos em Lisboa e, depois de quatro dias lá, seguimos para a cidade do Porto. Três dias após, pegamos nosso carro alugado e saímos rodando pelo interior do país. Andamos, mais ou menos, 2.000 quilômetros, ao todo. As estradas estavam muito bem pavimentadas e sinalizadas, sendo que, em algumas autoestradas, paga-se pedágio. Com um bom mapa rodoviário na mão, que nos foi presenteado pela locadora do veículo, escolhemos as cidades onde queríamos passar e, com um guia editado no Brasil, selecionamos os lugares que iríamos visitar, alguns para pernoitar e em outros para fazer nossas refeições.

 

Dizer que os portugueses comem somente bacalhau não é uma verdade, mas que lá se saboreiam excelente preparação com este produto, pode-se afirmar de cadeira. São as mais diversas receitas, com ele cozido, assado, grelhado, empanado, desfiado, enfim, pode-se escolher uma forma diferente a cada dia da viagem. E os acompanhamentos: batatas, cebola, feijão verde, grão-de-bico e muitos outros mais. E sempre, SEMPRE, regado com um azeite de ótima qualidade!

 

Entretanto, a gastronomia local é muito mais rica do que podemos imaginar. Há uma fartura de pescados e frutos do mar, como a “sapateira”, que é um caranguejo gigante e que permite a realização de festivais, em determinada época do ano, quando o turismo é incrementado pelos apreciadores desta iguaria, que se deslocam até algumas cidades litorâneas só para saboreá-la.

 

Não posso deixar de citar os pratos preparados com a carne de porco, como o tradicional e conhecido “Leitão da Bairrada”, bem temperado e assado inteiro até sua carne ficar supermacia e a pele crocante. São também muito saborosos os “Secretos de Porco Preto”, bifinhos acompanhados de batatas fritas. Aliás, o que os irmãos lusitanos comem de batatas fritas “é brincadeira”... São ainda apreciadas, e muitíssimo bem preparadas, as receitas com a carne do cabrito e do carneiro, que eles chamam de “borrego”.

 

Não posso deixar de mencionar os embutidos (chorizos, que são as nossas linguiças, salsichas, morcelas, etc.), os presuntos e os queijos. Cada região ou mesmo cada cidade tem o seu “especial”, fabricados com leite de vaca, de cabra ou de ovelha, cremoso ou curado, temperado ou não, e cada um mais delicioso que o outro. A vontade é experimentar todos!

 

Para encerrar, falarei dos doces. Ah, os doces, divinos, da doçaria conventual! Contam que as freiras, antigamente, utilizavam as claras dos ovos para engomar suas vestimentas. E que desenvolveram, então, a produção de doces com as gemas que não eram usadas! Os pastéis de Belém são um belo exemplo... São marca registrada e é impensável ir a Lisboa sem provar alguns!

 

Um capítulo à parte seria discorrer sobre os vinhos. Mas o texto iria ficar longo demais. Deixarei para outra oportunidade falar sobre os vinhos do Porto, do Dão, do Alentejo, os vinhos “verdes” (que na realidade podem ser brancos ou tintos...) e muito outros mais.

 

 

 

 

 

Natália Bispo

13/04/2010
16h01

Engº Mário Almeida Como me sinto orgulhosa de apreciar o nosso Portugal! Foi um prazer tê-los conhecido na Casa do Castelo no Sabugal. Sempre os esperarei.


Reportar abuso

Julio Huber

18/04/2010
11h03

Mário, adorei o texto. Deu uma vontade danada de conhecer portugal. E esses pratos que o você citou me deu água na boca. Agora aguardamos um artigo sobre os vinhos. Abraços e obrigado por mais esse texto.


Reportar abuso

joaquim serpa

21/04/2010
09h37

Mário: Como português de raiz rendo-lhe meus cumprimentos. Tudo que você enfocou poderia ser estendido em um compêndio. Os ovos de Aveiro e os queijos, azeites e vinhos do Alentejo às margens do Guadiana.Parabéns!


Reportar abuso

 

 
2016 (1)
 

Maio (1)

 

 

» Sem tempero não dá!...

2015 (4)
2014 (3)
2013 (6)
2012 (12)
2011 (12)
2010 (15)

 





GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
Termo de Uso | Política de Privacidade | Anúncios Publicitários | Contatos

© 2009 Montanhas Capixabas - Todos os direitos reservados