GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
ESCOLHA SUA CIDADE 21 DE JANEIRO DE 2017

 

Gastronomia

Histórico

 

 

03/01/2012

Edição de aniversário

 

 

 
O tempo passa e já são dois anos de artigos sobre gastronomia publicados no montanhascapixabas.com.br! E para comemorar, não poderia ser diferente: uma Festa de Aniversário! Só não consegui ainda me decidir sobre o que fazer: um jantar “chic”, um churrasco, um “brunch” (do inglês breakfast + lunch, ou seja, um café da manhã misturado com um almoço...), um café colonial, um chá beneficente, um coquetel, um “happy hour”, um bolinho com refrigerante...
 
Lembro que, durante minha infância, um dos presentes que eu ganhava da minha mãe, no meu aniversário, era um almoço com o cardápio que eu escolhesse. E, invariavelmente, eu escolhia um rosbife, que minha mãe preparava como ninguém, bem moreno por fora e com seu interior quase sangrando, servido com um molho acebolado especial da casa, acompanhado de purê de batatas e arroz branco. Simples, mas delicioso e inesquecível. A sobremesa também era sempre a mesma: doce de leite preparado cozinhando duas latas de leite condensado...
 
 
Dependendo do “caixa”, eu hoje comemoraria com um belo jantar: uma mesa requintada, coberta com toalha de linho, os melhores guardanapos, porcelanas e cristais, talheres de prata, velas e flores. O menu teria que ser compatível: uma entrada (quem sabe uma salada de frango defumado e abacaxi), um prato principal (talvez uma bela posta de bacalhau grelhado no azeite, acompanhada de batatas sautée) e, de sobremesa, peras cozidas no suco de laranja e cobertas com calda de chocolate!
 
Todos, é lógico, acompanhados por bons vinhos: um branco, da uva sauvignon blanc, para a salada, um verde português para o bacalhau e um “colheita tardia” para a sobremesa...
 
 
 
A preparação de um churrasco, numa manhã de sábado, pode ser outra grande pedida. Começando pela escolha das carnes (eu prefiro a fraldinha e os “bifões” de contrafilé), passando pelo tempero das asinhas de frango e do lombinho de porco (as carnes bovinas só levam sal grosso e na hora de irem para a churrasqueira!), pela elaboração daquela farofinha “no capricho” e daquela salada verde e apetitosa, até o acendimento do fogo. Depois é só ir grelhando as carnes, bebericando uma cerveja geladinha ou um vinho, e ir fatiando e servindo as carnes assadas. No final pode até aparecer uma sobremesa...
 
 
Se a comemoração cair num domingo, penso que uma boa escolha seria promover um brunch, começando por volta das onze da manhã e indo até a hora que o último convidado desconfiasse que está bastante tarde! Como se trata de um café da manhã junto com o almoço, a mesa seria farta em frutas frescas, sucos, cereais e iogurtes, para começar.
 
Também ovos mexidos ou omeletes, pães e bolos, geléias, queijos, presuntos e outros embutidos, chás e leite, além de café, claro... As horas vão se passando e a mesa vai sendo transformada: entram em cena os canapés, as saladas, os frios, as tortas salgadas e quiches, os espumantes. Até que está todo mundo para lá de satisfeito e encerra as atividades gastronômicas. 
 
 
Mais uma ótima opção, também, seria um “café colonial”. Além de ser uma tradição da colonização alemã, da qual o município de Domingos Martins, situado aqui no estado do Espírito Santo, muito se orgulha de ter, as dezenas de tortas doces e salgadas, bolos, pães, salames e queijos, os salgadinhos fritos e assados, os sucos, chás, chocolate quente e frio, geléias, mel, biscoitos caseiros.
 
Tudo isso nos remetem a lembranças de nossos antepassados, quando eram constantes as mesas fartas e que davam a oportunidade para as famílias mostrarem seus dotes culinários. E nos deixavam com algum peso extra, é verdade...
 
Um “chá beneficente” é a maneira politicamente correta de se comemorar um aniversário. É uma forma de integrar a sociedade e, como já disse um sábio, “tudo acontece em volta da mesa!” A participação das pessoas na organização de um evento desta natureza é uma experiência única e riquíssima, pois expõe a necessidade de darmos as mãos uns aos outros para fazer o bem, que traz alegria e satisfação ao verem os semblantes daqueles que colocam a “mão na massa” e, como resultado, vêem os sorrisos estampados em cada rosto.
 
Uma mesa bonita, colorida, com os diversos tipos de chás, torradas, bolos e tortas, biscoitinhos, geléia e mel, com certeza farão aumentar, ainda mais, os resultados positivos de um encontro destes. Ainda mais quando a causa é nobre e, arrecadando fundos para alguma obra social,  beneficiará pessoas que, por um motivo ou outro, necessitam de ajuda, carinho e solidariedade.
 
 
Um coquetel também representa bem uma comemoração de aniversário. Durante sua realização, os convidados ficam em pé, ou sentados em sofás e poltronas estrategicamente espalhados pelo ambiente, de modo a permitir a máxima interação entre eles e os promotores, deixando um clima de descontração e conversação bem à vontade.
 
Dependendo da hora, se pela manhã ou durante a noite, são diferentes as bebidas e comidinhas servidas: vinho branco ou espumante (um ponche ou clericot, também vão muito bem...), durante o dia, finger foods, ou seja, aquelas preparações para pegar com uma mão enquanto a outra segura a taça de vinho...  À noite pode ser servido vinho tinto (branco também, claro!), whisky ou drinks à base de vodka e run (um daiquiri ou um mojito...), canapés e, porque não, um prato de salada ou de massa, individual? 
 
 
Se não gostou de nenhuma das alternativas anteriores, pense num happy hour. Reúna-se com os(as) amigos(as) ou ambos, no final da tarde, após o expediente na empresa, num bar que você conhece e recomenda, e proporcione momentos agradáveis, boa comida e boa bebida, além de boa conversa...
 
Se o barman for “gente boa”, então, peça-lhe para preparar seus coquetéis “especiais” e surpreender os convidados! O som ambiente deve cooperar, fazendo um fundo musical perfeito e permitindo que as pessoas não precisem gritar para se comunicar. E não nos esqueçamos: todos, na volta para casa, indo a pé ou de táxi – NUNCA DIRIGINDO!
 
Para encerrar, com chave de ouro: aquele tradicional bolo com velinhas é tudo de bom!
 
 
Parabéns a todos e FELIZ 2012! Um brinde, saúde e paz!
 

 

 

 

 

MArgareth

04/01/2012
12h19

Mario, Parabéns pelos dois anos de vida. Espero que continue a nos brindar com mais artigos interessantes, informativos e deliciosos.


Reportar abuso

rosa maria

04/01/2012
18h54

Mario, Parabens pelo aniversario de seus artigos e tambem pelo seu aniversario em 02/01. Abraco


Reportar abuso

Lenize

08/01/2012
11h10

Mário, parabens pelo duplo aniversário! Não deixe nunca de disponibilizar seus fantásticos textos.


Reportar abuso

 

 
2016 (1)
 

Maio (1)

 

 

» Sem tempero não dá!...

2015 (4)
2014 (3)
2013 (6)
2012 (12)
2011 (12)
2010 (15)

 





GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
Termo de Uso | Política de Privacidade | Anúncios Publicitários | Contatos

© 2009 Montanhas Capixabas - Todos os direitos reservados