GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
ESCOLHA SUA CIDADE 21 DE JANEIRO DE 2017

 

Gastronomia

Histórico

 

 

01/09/2011

Feijão maravilha

 

 

 
 
Quero aqui prestar minha homenagem a esta leguminosa, tão famosa e conhecida, assim como imprescindível e fundamental no prato dos brasileiros e brasileiros em geral. Do Oiapoque ao Chuí, como aprendemos nas aulas de geografia recebidas na infância, é um alimento muito saudável e importante, principalmente por ser rico em vitaminas, ferro e em fibras.
 
São diversas as variedades conhecidas e cultivadas em nosso país. Feijão preto, fradinho, rajado, vermelho, carioquinha, branco, manteiga, de-corda e outros, ainda que estes mesmos possam ser conhecidos por outros nomes em lugares diferentes.
 
Para iniciar nosso passeio pela gastronomia produzida com este vegetal, tenho que me referir àquele prato tradicionalíssimo, o “feijão com arroz, bife e batata frita”.  Honestamente, não há brasileiro que eu conheça que não tenha ótimas lembranças degustando um “PF” contendo estes elementos. E vai muito bem, combinando com nosso clima tropical, uma salada de feijão branco (ou manteiga) cozido al dente, com tomates e cebolas picadinhos, temperada com um pouco de vinagre, um bom azeite e umas folhas de salsinha para enfeitar!
 
 
Como preparação mais que tradicional, para ser consumida nos almoços dos sábados, domingos ou feriados, quando é permitida uma salutar soneca após sua degustação, a feijoada é a grande pedida e, inclusive já vai para sua décima edição a “Feijoada nas Montanhas”, promovida anualmente com muito sucesso pelo colunista social Mazinho Schwambach aqui em Campinho, no município de Domingos Martins. Hoje fala-se, inclusive, numa feijoada light, ou seja, com pouca gordura, que eu ainda não tive oportunidade de experimentar. Mas já provei e aprovei uma preparada com frutos do mar. Surpresos? Isto mesmo, feijão branco cozido, bem temperado, com um pouco de toucinho defumado para saborizar e camarões, polvo, lula, mariscos e outros: uma delícia!
 
 
Característico dos estados de Minas Gerais e São Paulo, o feijão tropeiro, mistura de feijão cozido na panela de ferro, ovos, lingüiça, torresmo e farinha de mandioca, era uma preparação prática para os tropeiros, de tempos atrás, levarem em suas andanças. Nada deixa a desejar o mineiríssimo “tutu de feijão”, no qual o feijão cozido é temperado com cebola e alho, batido até se transformar numa pasta e acrescido de farinha de mandioca e torresmo. Normalmente é servido acompanhando umas rodelas de lingüiça caseira (ou os dois...), arroz branco, ovo estrelado, uma farofinha e aipim frito. 
 
 
Viajando para a região nordeste, nos deparamos com dois dignos representantes de sua culinária: o acarajé, principalmente na Bahia, e o baião-de-dois, mais para os lados do Ceará. O primeiro é um bolinho frito no azeite-de-dendê, cuja massa é preparada com feijão fradinho descascado e triturado, misturado com cebola ralada e moldado em forma redonda, antes de ser frito no óleo de dendê bem quente. Depois de pronto pode ser recheado com camarões secos, vatapá ou caruru, e molho de pimenta. Cuidado: se pedir “quente” virá com MUITA pimenta! O baião-de-dois é feito cozinhando-se arroz no caldo do feijão já cozido, e junto com ele. Depois adiciona-se queijo de qualho, coentro e carne seca (charque).
 
 
Vamos, agora, a outros países. Comecemos pelo México, onde um prato típico chama-se “chili com carne”. Trata-se de uma mistura de feijão vermelho cozido e carne picada ou moída, temperados com cebola, alho, molho de tomates e PIMENTA! Lá eles usam BASTANTE pimenta, em pó ou fresca, picadinha. Mas nós podemos regular a ardência dosando-a adequadamente a nosso paladar. Come-se acompanhado de “nachos”, que são uns chips de milho. Inusitado, pelo menos comparando com nossos hábitos alimentares, é a receita de “feijão assado de Boston”, que se prepara nos Estados Unidos da América cozinhando o feijão e depois assando-o, no forno, coberto por um molho que contém cebola, tomate, alho, sidra, açúcar mascavo, melado e mostarda amarela!
 
 
Quando formos para a Itália uma das iguarias que vamos experimentar é a “Pasta e Fagioli”, ou seja, uma sopa de feijão com uma massa (pasta), cujo caldo pode ser mais ou menos espêsso, dependendo da região onde está sendo preparado. Em Portugal uma de suas especialidades são as “Tripas à moda do Porto”, preparação oriunda da cidade de mesmo porém servida em muitas outras localidades. O “toque” especial nesta receita de dobradinha com feijão branco e paio, é a utilização de bastante cominho em pó, o que lhe dá um sabor bem especial.
 
 
Da França trazemos o “cassoulet” (pronuncia-se cassulê), uma espécie de feijoada deles. Leva coxa de pato cozida lentamente imersa na própria gordura, feijões brancos, bacon, salsichas ou lingüiças, cenouras picadas, cebolas e outros temperos, como cravo-da-índia, louro, pimenta do reino em grão, alho e tomilho. Quando tudo estiver cozido, arruma-se numa travessa de louça, polvilha-se com bastante farinha de rosca e leva-se ao forno para gratinar. E da Grécia vem a “fasolada”, uma rica sopa preparada também com feijões brancos, cenouras, cebolas, aipo, pimentão vermelho, tomates, azeite, um toque de suco de limão e temperada com sal e pimenta do reino. 
 
 
E tem feijão também na sobremesa! Em Portugal tive a oportunidade de experimentar um “Pastel de Feijão”, que é tipo uma empadinha bem parecida com os famosos Pastéis de Belém, porém recheada com um doce pastoso preparado com feijões cozidos e moídos, amêndoas descascadas e também moídas e açúcar. O sabor não lembra nada do feijão como o conhecemos. É uma delícia! E do Japão vem o “Anko”, doce de feijão do tipo “azuki”, que pode ser facilmente encontrado nas lojas de produtos japoneses. É preparado cozinhando-se o feijão, batendo-o no liquidificador até virar um creme grosso e, depois, cozinhando-o com açúcar até dar o ponto. Este doce é utilizado para rechear um bolinho, que eles chamam de “yaki manjyu”.
 
 
Bom, esta é a homenagem que gostaria de fazer ao feijão. Além de saudável, ele não é mesmo uma maravilha? Até a próxima!
 

 

 

 

 

Cristina Ramos

05/09/2011
09h13

FEIJÃO...FEIJÃO...FEIJÃO...Adoroooooooo!!! Artigo maravilhoso e completo!!!!!!!!! Espero saborear alguns desses "feijões" preparados pelo Mestre Cuca Mario Luis!!!!!!!!!! BBBJJJSSSS


Reportar abuso

Lenize

06/09/2011
12h38

Mário, mais um artigo suscinto e completo. Adoro feijão de qualquer geito, até puro. Boa viagem! Escreva de lá. Abraço


Reportar abuso

Gal

09/09/2011
08h58

Mario, parabéns por lembrar de homenagear esse que não pode faltar em 99,99% dos pratos dos brasileiros! Feijão é bom de vários jeitos! Abraço


Reportar abuso

 

 
2016 (1)
 

Maio (1)

 

 

» Sem tempero não dá!...

2015 (4)
2014 (3)
2013 (6)
2012 (12)
2011 (12)
2010 (15)

 





GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
Termo de Uso | Política de Privacidade | Anúncios Publicitários | Contatos

© 2009 Montanhas Capixabas - Todos os direitos reservados