GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
ESCOLHA SUA CIDADE 22 DE JANEIRO DE 2017

 

Gastronomia

Histórico

 

 

30/06/2011

Gastronomia para o inverno

 

 

 
Oficialmente esta estação do ano chegou no dia 21 de junho e vai até o dia 23 de setembro, aqui no nosso hemisfério sul, ao contrário do hemisfério norte, quando ele se inicia em 21 de dezembro e se encerra em 20 de março. O frio que vem junto nos traz a necessidade de acumular energia em nosso corpo, de maneira a poder enfrentá-lo e garantir nossa sobrevivência.
 
Para tanto a humanidade desenvolveu deliciosos hábitos de ingerir nesta época do ano preparações mais calóricas e substanciosas. Neste período é muito mais atrativo degustar os caldos quentes, os ensopados, as bebidas quentes e/ou destiladas porque, além de nos alimentar bem, traz aquela sensação do calor, agradável e bem-vinda durantes estes dias de temperaturas baixas.
 
Para começar, vamos ao café da manhã: um mingau de aveia com um pouco de canela por cima, lembrança da infância, é a medida certa para energizarmo-nos e iniciarmos bem o dia. E, lógico, acompanhado de uma xícara de café passado na hora, pelo coador de pano, acordando toda a vizinhança com seu aroma inconfundível.
 
 
Chega a hora do almoço e para falar de pratos, digamos assim, com mais “sustância”, uma grande pedida é apreciar uma feijoada completa, daquelas cujo aroma invade o ambiente e aguça nossas glândulas salivares! Esta preparação, atribuída aos escravos que usavam as partes do porco descartadas por seus senhorios, passou a ser uma ótima opção para as refeições tardias de um sábado frio e preguiçoso...
 
Assim como ela também o cozido, herança portuguesa, é para ser feito em quantidade farta, que dê para alimentar uma turma grande, já que, para saborear cada um dos tipos de carnes e embutidos, assim como os mais diversos vegetais que o compõe, é preciso gente, tempo e disposição! 
 
 
Um caprichado prato de massa coberta com um molho fumegante e aromático também é uma ótima idéia para espantar o frio e a fome. Pode ser um espaguete ao molho bolonhesa, igual àquele da vovó, preparado com tomates frescos, carne moída bem temperada e manjericão, coberto com queijo parmesão ralado na hora.
 
Ou, também, um yakisoba, massa fina de origem oriental, cozida e misturada a tiras de legumes igualmente cozidos (vagem, cebola, cenoura, brócolis) e algum tipo de carne, de frango, bovina ou mesmo frutos do mar, cortadas em tiras e fritas, refogadas no óleo de gergelim e temperadas com molho shoyu, que é à base de soja. 
 
 
Do litoral do Estado do Paraná vem o barreado, trazido pelos açorianos que se acomodaram por lá, para suportar o rigor do inverno. É feito com carne bovina cozida durante 24 horas (!) com cominho, toucinho, tomates, cebola, alho, folhas de louro e cheiro verde. É preparado numa panela especial de barro, cuja tampa é “barreada”, isto é, vedada com uma pasta de farinha de mandioca e água, de modo a impedir que os vapores do cozimento se percam. É servido com arroz e farinha de mandioca, pimenta malagueta e banana cortada em rodelas.
 
Da cozinha mineira, que tal um frango caipira ensopado com quiabo, vindo diretamente do fogão à lenha, cozido e servido na panela de pedra, que chega à mesa esfumaçando e perfumando o local? Irresistível...
 
 
Como sobremesa pode ser um francês creme brulée (creme queimado, na tradução), que nada mais é do que um creme de gemas de ovos cozidas no leite com açúcar e baunilha até engrossar, depois coberto com uma camada de açúcar tostado na hora com um maçarico culinário, servido quentinho. Ou um petit gateau (os franceses, novamente!), que se pronuncia “peti gatô” e é um bolinho, de preferência de chocolate, cujo interior não assou direito e que, quando o partimos, este recheio quentíssimo escorre...
 
 
Para a noite, vamos nos lembrar das sopas, que podem ser feitas com diversos grãos, legumes e verduras, carnes variadas, frutos do mar, enfim, tudo aquilo que pode ser cozido em um caldo saboroso e cito, por exemplo, a tradicional canja de galinha ou uma bela e italianíssima minestrone, rica em sabores e textura provenientes do feijão, dos vegetais, das carnes e dos temperos que cozinharam juntos durante um bom tempo!
 
 
As sopas podem também ser apresentadas cremosas, como uma de couve-flor, bem consistente, encimada por um toque de azeite e salsinha picada ou, ainda, gratinadas, como a famosa soupe a l’ognion (sopa de cebolas), receita francesa que tem as cebolas fatiadas fritas em manteiga até amaciarem e depois cozidas em caldo de carne, servida individualmente com uma fatia de pão tostado no fundo de cada recipiente, coberta com bastante queijo Gruyère e colocada em forno bem quente até se formar uma crosta dourada na superfície.
 
 
Outra opção para as noites frias de inverno são as (isso mesmo, a palavra é do gênero feminino!) fondues, tanto a de carne como a de queijo, que vem da culinária suíça e são uma forma bastante agradável de juntar os amigos em torno de uma mesa no interior de uma casa aquecida por uma lareira e passar bons momentos de conversa e gastronomia. 
 
 
Agora as bebidas: o vinho tinto é incomparável para combinar com o inverno. Aqueles mais encorpados, como os da uva malbec, entre outras, harmonizam-se perfeitamente com estas preparações culinárias mais “fortes”. E após as refeições nada melhor do que um digestivo conhaque, cuja elaboração por vinícolas brasileiras está dando show de qualidade. Pode e deve ser aquecido, antes de ser tomado, usando o calor das próprias mãos, ou ligeiramente flambado.
 
 
E, antes de dormir, para “aquecer a alma”, uma “dose” de um untuoso chocolate quente, sorvido devagarzinho para não queimar a garganta, ou uma xícara de chá, que, além de tudo, relaxa e ajuda a chamar o sono.
 
 
Agora, para esquentar de verdade, bom mesmo é um “cobertor de orelha”! Até breve...
 

 

 

 

 

Evandro Albani

30/06/2011
16h48

Mario, o ideal é saborear as delícias do inverno para dar uma esquentadinha e, DEPOIS, contar com um bom cobertor de orelha. rs rs Parabéns pelo artigo!


Reportar abuso

Cristina Ramos

01/07/2011
10h13

Amado irmão, "expert "em gastronomia...mais um artigo apetitoso e especial!!! Com certeza, vou esperar para, em sua companhia e família, saborear um delicioso "barreado", prato que só saboreei com os olhos!!!!!!!!!!!!!!!! Mais prazeroso, ainda, se for em Domingos Martins!!!!!!!!!!!!!!!!! BBBJJJSSS e saudações gastronômicas...


Reportar abuso

Lenize Rodrigues

03/07/2011
13h27

Mário, mais um artigo extremamente "apetitoso". Serviu de inspiração para o jantar de hoje. Parabéns!!!!!! Abraços Lenize e Ricardo


Reportar abuso

Joel Guilherme Velten

12/07/2011
11h20

Olá amigo Mário! Com certeza devem ser deliciosos os pratos apresentados aqui. Depois de ter passado quase um mês na Serra Catarinense,posso dizer-lhe que o FONDUE é muito apreciado por lá. O de queijo é uma delícia e não pode faltar o de chocolate como uma deliciosa sobremesa. Gostei de sua explicação sobre o que é Petit Gateau que tem muita gente que gosta mas não sabe o significado das palavras e. Já me parguntaram se é um Gato Pequeno.rsrsrsrsrsrsrs Estarei aguardando vc e esposa em minha casa para um Fondue e depois um Petit Gateau. Um abraço


Reportar abuso

Silvia Regina

13/07/2011
08h18

Sou fa do Sr. Mario nao é de hoje, seus artigos alem de apetitosos sao uma verdadeira uma aula de arte. sempre muito requintados e muito bem escritos. parabens.


Reportar abuso

 

 
2016 (1)
 

Maio (1)

 

 

» Sem tempero não dá!...

2015 (4)
2014 (3)
2013 (6)
2012 (12)
2011 (12)
2010 (15)

 





GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
Termo de Uso | Política de Privacidade | Anúncios Publicitários | Contatos

© 2009 Montanhas Capixabas - Todos os direitos reservados