GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
ESCOLHA SUA CIDADE 22 DE JANEIRO DE 2017

 

Gastronomia

Histórico

 

 

18/10/2010

'Passione' pela gastronomia

 

 

 
Vou pegar uma carona na “onda” criada pela novela das oito para escrever um pouco sobre a gastronomia italiana, uma verdadeira “paixão” daquele povo. Antes, vamos lembrar que sua imigração iniciou-se em 1874, quando aportaram em Santa Cruz, município da Serra, as primeiras famílias oriundi, quer dizer, vindas da Itália para trabalhar no Brasil. 
 
Dali elas foram deslocadas para o interior do estado, quando fundaram Santa Teresa e, posteriormente, se espalharam pela região serrana. Hoje, a maioria dos descendentes reside em Venda Nova do Imigrante e Santa Teresa, mas existem muitos representantes em outros locais, como João Neiva, Ibiraçu e Fundão, por exemplo.
 
Então vamos à gastronomia. A mesa dos italianos é sempre muito farta. Uma refeição, para ser completa, tem que ter a entrada (um antipasti), o primo ou primeiro prato quente, que pode ser uma polenta ou uma massa, o secondo, composto de uma carne ou ave ou peixe, um contorni, que é um acompanhamento como uma salada ou legumes cozidos, seguidos por formaggio (queijo) e frutta, encerrando com um dolci (a sobremesa) e finalmente um espresso (um cafezinho curto) e um digestivo (licor ou vinho).  
 
Para discorrer sobre o tema temos que viajar pelas três regiões daquele país e provar das suas especialidades. Comecemos pelo norte, berço dos melhores “gnocchi”, uma massa (pasta, como eles dizem lá) preparada com batatas cozidas e farinha de trigo, cortada em pequenos rolinhos da espessura de um dedo, mais ou menos, que, ao ser servida, é coberta com um fumegante e saboroso molho de tomates frescos, além de queijo pecorino ralado. Também por ali preparam-se excelentes polentas, que podem ser fritas ou assadas e acompanham maravilhosamente pratos de carnes e peixes. Não vamos nos esquecer dos risotti, preparados com tipos de arroz apropriados, como arbóreo ou carnaroli, que os deixam bem cremosos, os quais podem ser enriquecidos com legumes ou verduras, funghi (cogumelos), tiras de presunto ou de carne, camarões e ou qualquer outro fruto do mar.
 
                 
Também nesta região destacam-se outras massas e seus molhos, como o pesto genovês, preparado com azeite, manjericão, alho, queijo pecorino e alho, bem batidos manualmente em um recipiente próprio até se transformar numa pasta homogênea, ou então o nosso muito apreciado bolognese (à bolonhesa). A produção de queijos (o Granna padano e o Parmegiano reggiano), do presunto de Parma, da mortadela de Bologna, de salames e do aceto balsâmico de Mòdena são também especialidades locais. Muito apreciado, ainda, é o ossobuco, uma posta espessa de carne da paleta bovina, cozida com o osso no vinho tinto, com alho, cebola e tomates e servido acompanhando um risotto, polenta ou massa.
 
                       
Descendo um pouco mais até alcançar a região central do país nos deparamos com preparações bem típicas, como as Minestrone, sopa de feijões, legumes e verduras picados e cozidos em caldo de carne, prato com muita “sustância” apropriado para as noites frias. Vou, ainda, mencionar a “Porchetta”, elaborada com lombo suíno recheado com ervas, lingüiça de porco e coberto com fatias de bacon, assado até ficar com aquela cor dourada. Saboreia-se fatiada quente, saindo do forno, ou fria, no dia seguinte à preparação, em sanduiches feitos com o autêntico pão italiano!
 
 
A próxima parada é na região sul, origem da “autêntica” pizza italiana. Lá o tamanho das pizzas é para o consumo individual, mas com um diâmetro de até 35 cm, quer dizer, é uma refeição! Hoje sua preparação, para ser chamada de DOC, ou seja, di origine controlatta, a massa tem que ser aberta com as mãos, os fornos tem que estar a uma temperatura mínima de 485°, a farinha e o fermento são especiais e as coberturas feitas com produtos selecionados. As mais comuns são a “Marguerita”, cobertas com mussarela, tomates frescos e manjericão, e a “Marinara”, que levam alho, tomates fresco, azeite e orégano. Além das “redondas”, diversos embutidos, como a sopressatta, as lingüiças, doces e picantes, e a pancetta defumada, são iguarias regionais.
 
                        
Se formos mais para o sudoeste chegaremos à Sicília, na ponta da “bota” itálica. Ali se elabora a “cozinha mediterrânea”, baseada no azeite, legumes, verduras e frutos do mar. Segundo os especialistas em medicina, é a dieta ideal, rica em “Ômega 3”, que ajuda a prevenir o câncer e pobre em gorduras saturadas, que colaboram muito com as altas taxas do colesterol ruim em nosso organismo. São famosos os “Arancini di riso”, bolinhos de arroz recheados com ervilhas, miúdos de frango, queijo fresco e ovo duro, assim como a sobremesa preparada com biscoito, frutas, chocolate amargo e requeijão, denominada “Cassata”.
                 
 
Poderia, e talvez devesse, me alongar muito mais, já que a gastronomia italiana é riquíssima e é só lembrar dos sorvetes, das centenas de nomes, formas e molhos das massas, dos vários queijos (provolone é um deles!), dos azeites, dos vinhos, dos licores, das sobremesas (tiramissù e panna cotta), das caças (coelho), dos pães (o pannetone), da trufa do Piemonte e das muitas outras delícias, para escrever dezenas de páginas a respeito. Mas vou ficar por aqui. Como antipasti, acho que já está de bom tamanho.
 
 
Buon apetito!
 

 

 

 

 

Cristina Ramos

18/10/2010
13h48

Adorei o texto, muito bem escrito, por sinal!!! Ah, que vontade de saborear a verdadeira cozinha italiana... Em uma cantina...verde e vermelha...lá no famoso "Bexiga"....ou, o mais provável, numa bela !QUINTA! em Domingos Martins.......BBBjjjssss com "PASSIONE"...


Reportar abuso

Montanhas Capixabas

20/10/2010
06h36

Mario, já estamos todos com água na boca! E já que o Mario falou sobre a "Passione" pela gastronomia italiana, gostaríamos de aproveitar para convidar a todos para o nosso 2º Curso de Gastronomia para Casais, que terá como tema justamente a gastronomia italiana. Maiores informações: 27 3268.1996 / 9989.3487.


Reportar abuso

Rodrigo Zambon

21/10/2010
14h08

Mário, muito interessante o artigo. As fotos são excelentes. Agora a pizza de 35cm individual é uma beleza. Parabéns pelo artigo. Abraço, Rodrigo


Reportar abuso

Margareth

22/10/2010
08h52

Matéria muito boa e informativa. Além de abrir o apetite de qualquer um. Parabéns!


Reportar abuso

 

 
2016 (1)
 

Maio (1)

 

 

» Sem tempero não dá!...

2015 (4)
2014 (3)
2013 (6)
2012 (12)
2011 (12)
2010 (15)

 





GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
Termo de Uso | Política de Privacidade | Anúncios Publicitários | Contatos

© 2009 Montanhas Capixabas - Todos os direitos reservados