GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
ESCOLHA SUA CIDADE 22 DE JANEIRO DE 2017

 

Gastronomia

Histórico

 

 

27/11/2014

Barcelona (Espanha): entre ''tapas'' e ''pintxos''

 

 



Eu e minha esposa tivemos a oportunidade de visitar a cidade de Barcelona, na Espanha, neste último mês de outubro, quando ficamos três noites e quatro dias por lá! Ela fica na Catalunha, ao nordeste da Espanha e é a maior cidade da costa do Mediterrâneo!
 

Apesar de ter 1,6 milhões de habitantes e, juntando com a área metropolitana este número chegar a quase 4 milhões de pessoas, é um local muito agradável, com suas ruas e avenidas largas e arborizadas, cujo trânsito de veículos flui tranquilamente.

Terra do arquiteto Antoni Gaudí, onde deixou várias obras importantes, o Templo da Sagrada Família é uma das suas obras-primas mais conhecidas. Também nasceu lá o artista Juan Miró, cujas pinturas, esculturas e murais surrealistas são inconfundíveis.
 

Mas vamos à gastronomia! Por estar situada à beira-mar e possuir uma tradição enorme nas atividades pesqueiras, os peixes e frutos do mar são os “carros-chefes” de suas preparações.

Só para começar, cito a paella, preparada numa panela de aço rasa e própria e leva camarões, mexilhões, lagostins, anéis de lula, ervilhas, arroz e é colorida e temperada com açafrão.

Já o pulpo (polvo), cujas preparações podem ser encontradas em quase todos restaurantes tem, dentre elas, o “al braz e aceite”, feito na grelha com azeite e servido com batatas.
 

Muito interessantes e espalhados por toda a cidade são os “bares a tapas”. São locais onde se pedem pequenas porções, de batatas, de frutos do mar, de azeitonas, de embutidos fatiados, por exemplo, que estão arrumados sobre o balcão, e uma “caña” (um chopp) para acompanhá-las.

O nome, segundo a história, vem de “tapar” (cobrir) os copos com pedaços de pão ou salame para evitar que mosquitos fizessem uso do líquido existente em seu interior...

Geralmente o conteúdo dos “tapas” está descrito em quadros-negros. E a tradição é: você vai ao balcão, escolhe o que quer e leva para sua mesa. Pede as bebidas aos garçons e, no final, contam-se as cumbuquinhas e as taças e paga-se a conta!
 

Bastante difundidos, ainda, são os bares que servem “pintxos” (palitos). Explico: no interior do bar há um grande balcão transparente, que pode ser aberto pelos clientes, onde estão os mais diversos “pintxos”: fatias de pão fresco cobertas com alguma(s) coisa(s) fria(s), como fatias de linguiça, ou camarões grelhados, ou fatia de queijo e batata, ou polvo e azeitona, sempre espetados num “pintxo”!

Você vai ao balcão com um prato nas mãos, abre as portinholas, pega aquilo que quiser comer e leva para sua mesa. Pede ao garçon uma bebida, que pode ser uma caña ou uma taça de vinho ou de cava (o espumante espanhol) e, de vez em quando, um garçon com um prato de “pintxos” quentes (calentitos! = quentinhos!), que acabaram de sair da cozinha, vai até você, te explica o que é que está ali (pode ser uma tortilla – aquela fritada de fatias finas de batatas, cebolas e ovos – ou uma almôndega, por exemplo, mas sempre espetados numa fatia de pão fresco) e você pega algum, se quiser.

Na hora de ir embora contam-se os palitos curtos, dos frios, e os compridos, dos quentes, somam-se às bebidas e paga-se no caixa. Detalhe: os “pintxos” frios tem sempre o mesmo preço, independentemente do que há neles e os calentitos são um pouquinho mais caros...
 

Por falar em tortillas, as preparadas lá são normalmente, acompanhadas por algo muito simples e saboroso: pa amb tomàquet (em catalão), fatia de pão esfregada com tomate e temperada com azeite de oliva e sal. Estas fatias de pão também são utilizadas para acompanhar embutidos! 
 

Passear, gastronomicamente falando, por Barcelona, é uma festa! São vários mercados de produtos alimentícios, onde também se pode fazer uma ótima refeição, devidamente acomodado num balcão e junto com os “locais”, que sabem o que e onde estão as boas coisas dali!

São dois os mercados mais “badalados”: o da Boqueria, situado na Rambla, uma rua larga com um enorme canteiro central, onde milhares de turistas e de não-turistas, famílias e grupos caminham e curtem o passeio.
 

O outro famoso é o de Santa Caterina, onde também se encontra de tudo: pescados, frutos do mar, verduras, legumes, frutas frescas e secas, pimentas, temperos, conservas, doces, embutidos, azeites, queijos, vinhos e muito mais, cujo colorido das bancas encanta a todos!

Este mercado (ainda bem!) não fica tão “entupido” de turistas como o da Boqueria. Foi onde nós fizemos nossa refeição, no quiosque “La Torna”, e eu experimentei um prato típico, “callos amb cigrons” (na língua deles, o catalão), nossa conhecida “dobradinha”, que eu adoro, com grão-de-bico e umas fatias da linguiça apimentada local, a “butifarra”...
 

Não só Barcelona, mas a Espanha como um todo, não deixa nada a desejar quanto a seus doces típicos, sendo os mais conhecidos o “crema catalana”, similar ao “creme brulée” francês, preparados à base de leite e gemas, coberto com açúcar queimado com um maçarico, e os “buñuelos”, bolinhas de massa fritas e cobertas com açúcar pulverizado, muito parecidos com nossos deliciosos “bolinhos de chuva”!
 

Para encerrar vamos falar um pouco dos vinhos, cuja região de Priorato (Priorat, em catalão) tem produzido excelentes safras, utilizando as castas Garnacha e de Cariñena (ou Carignan), comparáveis aos melhores rótulos do mundo.

Como possuem regras específicas e controle na fabricação, aqueles denominados Crianza devem permanecer por seis meses em barris de carvalho e 18 meses em garrafa; os Reserva devem permanecer por 12 meses em barris de carvalho e 24 meses em garrafa e os Gran Reserva devem permanecer por 24 meses em barris de carvalho e 36 meses em garrafa.

E não posso deixar de citar os “cavas” (espumantes) fabricados na região de Penedés, cuja fama e qualidade já são mundialmente conhecidos.


E por hoje é só... Até a próxima!
 

 

 

 

 

Lenize

01/12/2014
11h36

Mário, relembrei minha viagem à Barcelona. Amei aquele lugar, seus mercados e a melhor paella que já comi na vida ( no restaurante 7 Puertas). Esses dois mercados que vc citou e o passeio pela Rambla vale a viagem. Muito bom! Abraços. 


Reportar abuso

 

 
2016 (1)
 

Maio (1)

 

 

» Sem tempero não dá!...

2015 (4)
2014 (3)
2013 (6)
2012 (12)
2011 (12)
2010 (15)

 





GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
Termo de Uso | Política de Privacidade | Anúncios Publicitários | Contatos

© 2009 Montanhas Capixabas - Todos os direitos reservados