GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
ESCOLHA SUA CIDADE 21 DE JANEIRO DE 2017

 

Culinária das Montanhas

Histórico

 

 

13/05/2016

​Hotel Fazenda China Park

 

 



O antigo “Parque do China” mudou de nome, no último ano, e ampliou significativamente suas instalações, modernizando-as e dotando-o de diversos equipamentos e facilidades para que os turistas que lá estiverem aproveitem o dia de várias formas, independente de suas idades.

Para dar uma ideia, hoje ele conta com dois megatoboáguas, lago, piscinas, teleférico, hotel, chalés para você comprar ou alugar, e o Centro de Vivência, onde estão as piscinas aquecidas, ofurôs familiares, sauna e área recreativa, área gourmet e cinema.

No Centro Gourmet estão a cozinha internacional e uma adega climatizada. E para lá que fomos almoçar, num sábado desses, eu, minha esposa e um casal de amigos.

Do centro de Campinho, em Domingos Martins, até nosso destino, percorremos uns 35 quilômetros via BR-262, no sentido Belo Horizonte. Passamos um pouquinho da entrada de Vitor Hugo e, no Km 72 da rodovia federal está o acesso que vai ao China Park. São mais cinco quilômetros e chegamos ao nosso destino. 

Na chegada, na portaria de controle, recebemos um cartão de identificação de “Visitante”, no qual as despesas são registradas. Estacionamos bem em frente ao restaurante e para lá nos dirigimos.

Amplo, claro e arejado, o restaurante é aberto ao público e, nos finais de semana e feriados, trabalha com o sistema de buffet self-service a quilo (R$59,90/kg) até às 14h, sendo que, a partir deste horário, o serviço passa a ser à la carte, conforme nos informou o garçom Denilson, muito atencioso. Além disso, depois das 16h é servido um “Café Colonial”.

Ele nos trouxe água mineral e o cardápio, não muito extenso, ao qual demos uma olhada e já nos deixou com “água na boca” pelas diversas opções de carnes, aves, massas e peixes, sendo que a maioria das porções é para duas pessoas.

Eu e minha esposa pedimos um prato com peixe denominado “Pequim”. É um filé de badejo a dorê, molho de camarões, arroz branco e batatas fritas (R$105,00). Já nosso casal de amigos pediu Tornedor: medalhões de filé mignon envoltos em finas tiras de bacon crocante, arroz de nozes e batatas cozidas cobertas com creme de queijo (R$90,00).

O Denilson trouxe taças e um balde com gelo, para manter a temperatura dos vinhos que levamos (cobram R$ 30,00 a rolha), abriu um deles e serviu-nos. Na adega do restaurante há boas opções de vinhos.
 

Enquanto aguardávamos a preparação de nossos pedidos, demos uma “fugidinha” até o buffet e nos servimos de uma pequena porção de medalhões deliciosos, linguicinha caseira, batatas fritas e uma provinha de um prato à base de bacalhau desfiado e gratinado, muito saboroso!

Quando os pedidos chegaram, verificamos que eram muito bem servidos e que, se necessário, cada um deles daria para satisfazer, tranquilamente, três comensais. Os dois superfilés de peixe estavam cozidos adequadamente e o molho de camarões médios era farto. Os quatro medalhões de mignon também estavam “no ponto”, tostados por fora e rosados internamente, o arroz estava repleto de nozes e o molho cremoso de queijo cobrindo as batatas era muito saboroso.

Como não podia ser diferente, não demos conta de tudo e, a parte da comida que sobrou, o Denilson, muito prestativamente, a levou para a cozinha e logo em seguida nos trouxe em duas embalagens devidamente identificadas, para saborearmos em casa.

Pulamos as sobremesas e fomos direto ao café espresso. Em seguida, o chef Ari Cardoso veio até nossa mesa cumprimentar-nos, quando então o parabenizamos por tudo, principalmente pela qualidade e sabor das preparações. Ele nos convidou para retornarmos sempre que quisermos e disse-nos que será sempre um prazer receber-nos.

O chef fez, ainda, um agrado especial: pediu ao Denilson que fosse até a cozinha e trouxesse uma porção dos “bolinhos de chuva” que haviam sido preparados para o “Café Colonial”, o qual estava começando a ser disponibilizado no buffet, e que estavam “sen-sa-cionais”, quentinhos e crocantes.

Dirigimo-nos, então, para a recepção do restaurante, onde entregamos os cartões de identificação e recebemos a conta; pagamos (aceita cartões de crédito e não cobra 10% de taxa de serviço) e nos despedimos, agradecendo a atenção que nos foi dispensada.

Endereço: Ribeirão dos Lagos, Domingos Martins, entrada no quilômetro 72 da BR-262, em Vitor Hugo, Marechal Floriano.
Contato: (27) 3288-4141/4126
Funcionamento: o Centro Gourmet funciona todos os dias, de 7h30 às 22h. O almoço está disponível a partir de meio dia.
 

 

 

 

 

 

 
2016 (7)
 

Setembro (2)

 

 

» Delícias da Maria Lúcia...

» Restaurante Sabor da Traí...

 

Julho (1)

 

 

 

Junho (1)

 

 

 

Maio (1)

 

 

 

Março (1)

 

 

 

Fevereiro (1)

 

 

2015 (3)

 





GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
Termo de Uso | Política de Privacidade | Anúncios Publicitários | Contatos

© 2009 Montanhas Capixabas - Todos os direitos reservados