GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
ESCOLHA SUA CIDADE 21 DE JANEIRO DE 2017

 

A Arte das Montanhas

Histórico

 

 

07/07/2015

Flor Rara

 

 

 
É impressionante a tenacidade dessas orquídeas e bromélias que brotam e vingam em lugares tão desfavoráveis. Como é admirável  a sua beleza e a mensagem de superação que elas transmitem!

Amélia Schultz Zager é como essas flores raras.  Nascida em Afonso Cláudio, em 04 de Novembro de 1965, é descendente de pomeranos e, portanto,  bilíngue. Sempre viveu na zona rural, de onde busca inspiração para a sua poesia telúrica, cheia de impressões sobre as sugestivas belezas que a vida no campo proporciona.

Casada com o Sr. Arthur Zager, eles têm 4 filhas: Ariana,  Angelmara, Angéssica e Mariana. A família reside em Santa Maria de Jetibá, na localidade de Ilha Berger.  Na propriedade da família, cultiva-se café, milho, feijão, legumes e o que mais a terra der.

Sempre interessada pelo mundo das Letras e acalentando o sonho de mostrar a sua poesia, Amélia Schultz Zager tem sempre se deparado com as muralhas do impedimento, que sempre empurram os seus sonhos para mais adiante. Na infância, foi a vida difícil no campo, o trabalho pesado, as distâncias e o afunilamento dos horizontes.  Além disso, havia a barreira idiomática que os descendentes dos pomeranos têm que transpor para assimilar a Língua Portuguesa.

O tempo cobrou de Amélia os seus tributos e ela casou-se. Tornou-se mãe. Proprietária rural. Os anos foram descendo serra abaixo, como desce o Santa Maria da Vitória; e o sonho de escrever, de mostrar a sua poesia para o mundo, foi sendo adiado, adiado, adiado...

No entanto, da mesma maneira que as orquídeas e bromélias vicejam nos ambientes mais inesperados, viemos – hoje -  com algum atraso ( por caprichos de Cronos), revelar aos povos da serra capixaba, a poesia de Amélia Schultz Zager, que brota de um coração valente e repleto de purezas que quase já não são mais cultivadas.



-
São anjos
Amélia Schultz Zager

Ao ouvir um barulho,
Não se assuste,
São anjos!
Numa esquina da vida ...
Ao dar uma ré ...
Lá estão
A  orientar ...
De sinal a sinal,
Você sai em segurança
Daquela encruzilhada.
Assim, nas esquinas da vida,
Estão eles,
A  orientar.
Mesmo sem um “Obrigada!”,
Ainda sorriem,
Parecem dizer:
“Vai com Deus,
Até outra esquina da vida!”
São anjos!


-
Um erro, amigo...

Amélia Schultz Zager

Eu não te conhecia .
Nada pude entender!
De repente parecia,
Um sonho a viver.
Longe da realidade:
Dois grandes amigos,
Fonte de uma amizade.
De longos caminhos,
Nunca antes senti
Tamanha dor no peito ...
Nada igual eu vivi.
Nunca me confrontei
Com tamanha injustiça!
Não havia saída!
Era só tristeza!
Triste vida ...
Nesta incerteza,
Eu só quis fugir
Da dor que me atormentava.
Por que fugir?
Jesus também amava
Os que o acompanhavam.
Amava a todos como irmãos.
Por que não preservar
A nossa amizade ?
Feliz é que tem amigos!
É viver e amar. 
Isso é felicidade!
Erro,amigo,
É não ter amizades.
 
 

A Arte das Montanhas

 

Se você é pintor, escritor, músico, coreógrafo, cineasta, escultor, artesão, enfim, produtor de arte, reside na região das montanhas capixabas ou proximidades e gostaria de compartilhar conosco o seu trabalho, envie-nos um pequeno texto e/ou fotos e teremos prazer em divulgá-los.

 

Mensagens para: admin@montanhascapixabas.com.br (assunto: Coluna de Artes).

 

 

 

 

 

Antonio Neto

09/07/2015
20h16

Felizes os que têm uma alma serena e inquebrantável como a de Amélia Schultz Zager e que, além de tudo, conseguem transformar impedimentos em possibilidades!


Reportar abuso

 

 
2016 (4)
 

Dezembro (1)

 

 

» Gerundismo: uma praga ava...

 

Agosto (1)

 

 

 

Julho (1)

 

 

 

Junho (1)

 

 

2015 (2)
2014 (1)
2013 (3)
2012 (2)
2011 (5)
2010 (8)

 





GERAL POLÍTICA POLÍCIA TURISMO CULTURA AGRONEGÓCIO ESPORTE SAÚDE CLASSIFICADOS EVENTOS GUIA COMERCIAL
BUSCA   
Termo de Uso | Política de Privacidade | Anúncios Publicitários | Contatos

© 2009 Montanhas Capixabas - Todos os direitos reservados